Resumo: Sendo a tradição portuguesa particularmente fértil em versões contaminadas do romance Conde Claros em hábito de frade, e sabendo que o conjunto de temas contaminadores é considerável num tema tão abundantemente recolhido, tem como propósito o presente estudo descrever o comportamento das contaminações no seio deste romance. Numa primeira instância, e obedecendo a pressupostos diacrónicos de metodologia, observamos o traçado fabular do romance no século XVI e confrontamo-lo com a fábula que a tradição portuguesa apresenta, daí retirando algumas ilações quanto à posição das contaminações. Estas estão concentradas, regularmente, no início das versões, adquirindo o estatuto de enquadramento contextual da trama do Conde Claros em hábito de frade. Uma vez delimitada a lista de temas contaminadores, damos início à interpretação, do efeito potenciado pela presença de segmentos temáticos pertencentes aos temas contaminadores sobre a fábula do romance principal. A contaminação pode, não raro, produzir resultados subversivos, nomeadamente no que respeita ao retrato da personagem principal, o conde Claros.

Palavras-chave: contaminação; tradição oral moderna portuguesa; fábula; diacronia.

Referência completa: Sandra Boto, “As contaminações no ‘Conde Claros em hábito de frade’ português”, E.L.O., nº 13-14 (2007-2008), pp. 21-44.

Centro de Investigação em Artes e Comunicação Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Algarve Fundación Ramón Menéndez Pidal

Apoios

Fundação Calouste Gulbenkian Fundação Manuel Viegas Guerreiro European Association for Digital Humanities

ROMANCEIRO.PT

Universidade do Algarve

8005-139 Faro

Email: contacto@romanceiro.pt

Telefone: +351289 800 900 – ext. 7541